AESO - Faculdades Integradas Barros Melo






Delegancia-FIBAM.png

Conheça Maria Eduarda: ex-aluna da FIBAM agora Delegada da PCPE


Direito
julho. 03, 2019

Disciplina de estudo e foco foram fundamentais para aprovação em concurso

Concluir o ensino médio e começar uma graduação pode deixar muitos jovens assustados com peso da responsabilidade em escolher qual profissão seguir. Foi o caso de Maria Eduarda, que, antes de se tornar bacharela em Direto pelas Faculdades Integradas Barros Melo (AESO), passou por um momento de grande indecisão.

À época, ela chegou a prestar Vestibular para Medicina em algumas instituições, mas não sentia que era uma escolha consciente. O único processo seletivo que fez para Direito foi o da AESO-Barros Melo. Após uma longa conversa com a diretora, Dra. Ivânia Barros Melo, quando tomou conhecimento das áreas de atuação profissional e possibilidades dentro do curso, optou pela carreira jurídica. “A AESO-Barros Melo apresenta excelente conceito na área. Entrei sem saber se era bem o que queria, mas logo no primeiro período já me identifiquei bastante com a graduação. Tive certeza que era a escolha certa”, afirma.

O desejo de Eduarda sempre foi prestar concurso público. Durante o curso, as cadeiras preferidas dela eram Direito Penal, Processo Penal e Constitucional, disciplinas que, hoje, contribuem para o exercício da função. Maria Eduarda ocupa o cargo de delegada da Polícia Civil de Pernambuco, desde 2018 e afirma estar satisfeita com a profissão. “O que eu mais gosto é poder ajudar as pessoas. É muito bom poder cumprir um papel junto à sociedade, sobretudo num ambiente de violação de direitos. Conseguir dar um pouco de consolo e justiça às famílias envolvidas é muito gratificante e faz tudo valer a pena”, comenta.

A preparação para o concurso se iniciou após um ano da conclusão do bacharelado. “Antes de fazer a prova, eu estudava todos os dias e conciliava com o trabalho. Fiz alguns preparatórios, mas, sem dúvida, o grande diferencial foi profissionalizar” o estudo”, explica.

Antes disso, a jovem atuou como servidora do TRF 5ª Região, assessora jurídica do CREAS de Feira Nova/PE e Conciliadora da CCMA da AESO-Barros Melo, este último, a convite de um professor da época da graduação. 

Quando questionada sobre qual experiência da carreira foi mais marcante até o momento, a delegada não escolhe apenas uma, pois acha que todas contribuíram para formação da profissional que é hoje. “Acredito que a função que exerço, atualmente, tenha um papel fundamental e indispensável no sistema de justiça criminal. A Delegacia costuma ser a porta de entrada, e o Delegado, o primeiro a ter contato com a vítima e os familiares, assim como com o acusado, o que exige de nós muita sensibilidade e sabedoria”, afirma.

Maria Eduarda também ressalta a importância da presença feminina em um ambiente majoritariamente masculino, e, muitas vezes, machista. “Acredito que, como ocupantes de cargos dessa natureza, servimos para inspirar as tantas mulheres que atendemos diariamente, mostrando que elas também podem ocupar qualquer cargo que almejem. Fomentamos a igualdade de direito, mas também de fato, mostrando que podemos e damos conta do recado!”, encoraja.

alunos no mercado -

voltar